sábado, dezembro 15

Audiência pública de autoria do vereador Pastor Lins discute a reabertura do tiro de guerra na cidade de Alagoinhas

importância do Tiro de Guerra para Alagoinhas
A importância do Tiro de Guerra para Alagoinhas

Aconteceu na última quarta-feira (24), na Câmara Municipal uma audiência pública que teve como principal objetivo discutir a importância do Tiro de Guerra (TG) 06-001 para a cidade de Alagoinhas e a necessidade de reabertura desta importante instituição do exército brasileiro encarregada de formar reservistas para o exército. A audiência é resultado do requerimento 025/17, apresentado pelo vereador Pastor Lins.

A composição da mesa foi formada, além do vereador autor, que conduziu a audiência, por: Elinoel de Faro, representante dos amigos do TG, Coronel Carnaúba, Ex-comandante do 4º BPM, Major Luiz, representante do 4º BPM, Capitão Espezim, Ex-comandante do TG 06-001/Alagoinhas no período de 1999 a 2003 e atual chefe da seção administrativa do Centro de Coordenação de Operações do Comando Militar do Sul, em Porto Alegre, Professora Ana Costa, Amiga do TG, Joelson Pereira, Diretor da Associação dos Reservistas de Alagoinhas (ARA) e José Silva Ramos, Vice-diretor da Associação de Reservistas das Forças Armadas do Brasil (ARFAB).

Entre o público estiveram presentes: estudantes do Colégio da Polícia Militar, representantes de entidades, amigos do Tiro de Guerra e ex-atiradores, que apresentaram depoimentos emocionados e viram na ocasião a oportunidade de reascender a esperança quanto à reabertura da corporação.

O vereador Pastor Lins apresentou a história do Tiro de Guerra de Alagoinhas, falando da sua importância e da tristeza de um órgão que forma anualmente 50 jovens estar passando por esta situação, ao tempo que lamentou a ausência do Exmo. Prefeito na ocasião

A criação do Tiro de Guerra teve origem a partir da aspiração da mocidade alagoinhense em possuir um centro para prestação de serviço nas fileiras cívico-militares. Verificando esta vontade, João Pinho, civil, de espirito ardoroso pelas realizações cívicas, fundou o “Grupo de Escoteiros do Tiro de Guerra 339” que logo em seguida transformou-se na “Linha de Tiro nº 339”. Houve períodos de transição e reorganização e no ano de 1945, o boletim da 6ª região militar transcreveu a criação do TG 06-110. Em 1979, o Ministro do Exército, resolve dar nova numeração aos Tiros de Guerra, passando a vigorar a atual numeração: TG 06-001.

Foi unanimidade entre os vereadores presentes a necessidade de reabertura do TG, principalmente como um meio de ocupar os jovens e formar cidadãos de bem, são centenas deles precisando de reintegração e da esperança de uma sociedade melhor.

Elionel de Faro, representante dos amigos do TG, cobrou que seja solicitada à Prefeitura a celebração de um convênio e afirmou: “O TG é um Patrimônio Histórico de Alagoinhas”, sugerindo que a Câmara crie um dispositivo através de um artigo da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

O Capitão Espezim, Ex-comandante do TG 06-001/Alagoinhas no período de 1999 a 2003, num discurso saudoso falou da importância que o Tiro de Guerra tem para o município e trouxe à tona as atividades realizadas durante os quatro anos em que ele esteve, como Sargento, à frente do TG, contextualizando como se deu a sua chegada em 1999 quando o órgão passava por dificuldades e o processo de busca de parceiras. No final do ano de 1999 ele foi agraciado com o Título de Cidadão Alagoinhense, como reconhecimento dos grandes serviços prestados ao município.

No seu discurso, destacaram-se as inúmeras ações sociais realizadas pela organização, a exemplo de campanhas de doação de alimentos (no ano de 2003 eles conseguiram quatro toneladas para distribuição em instituições filantrópicas da cidade) e a participação do TG em todas as campanhas do HEMOBA na época (foi criado um banco de dados onde constavam o nome do atirador, tipo de sangue e última doação), uma ação de extrema importância para salvar vidas, já que a valorização da vida é um dos principais pilares do TG. Vale lembrar que os ex-atiradores se candidatavam como voluntários, não era obrigatória a participação.

“‘Eu quero deixar como alerta tudo o que fizemos em prol do município, tenho certeza que essa atitude do Pastor Lins, de organizar essa audiência, não é uma tentativa de promoção social”, ressaltou Capitão Espezim, reconhecendo o compromisso social do vereador com os jovens do município.

O Tiro de Guerra tem como fundamento a valorização da vida, da família e a formação de cidadãos de bem, com responsabilidades, caráter e princípios. “Algumas mães me agradeciam por observarem que os filhos estavam bem mais preparados para encarar os desafios da vida depois da passagem pela corporação.”, relembrou Capitão Espezim.

Com o fechamento do TG perde-se a oportunidade de formar 50 jovens por ano, uma ferramenta importante para tirá-los muitas vezes da ociosidade que pode os levar a práticas ilícitas.

Os vereadores sugeriram a formação de uma comissão para reunir com o Exmo. Prefeito e levar ao seu conhecimento a importância do TG 006-001, a fim de que seja celebrado, o mais breve possível, um convênio entre a Prefeitura Municipal e a Instituição.

Ao final da audiência, Pastor Lins proferiu:

“Imagine o que é imprimir em 50 jovens os conceitos e valores que amanhã podem nortear o seu destino, o seu futuro? A minha preocupação é que o que foi discutido hoje aqui não fique no campo da falácia, nem caia no esquecimento. Como já foi proposto, faremos uma comissão com os vereadores e levaremos ao Poder Executivo, um documento (ata) com tudo o que foi abordado. Desejamos que o Prefeito possa honrar com o compromisso de reabrir o Tiro de Guerra. Se resolvesse alguma coisa eu colocaria 20 mil, 30 mil da minha emenda para que voltasse a funcionar o mais rápido possível, pelo menos durante alguns meses.” O vereador Darlan intercedeu, dizendo que faria o mesmo.

“Respiramos o social, nos alimentamos 24 horas do social. Queremos ver os filhos dessa terra tendo oportunidades, principalmente para que os seus pais não mais recebam notícias ruins. Nós estamos aqui lidando com vidas, não estamos brincando de fazer política, nem de fazer oposição e nem de criticar o governo. Qualquer iniciativa que possa produzir vida é bem-vinda inclusive para enobrecer o governo que aí está.”

Logo após, agradeceu a presença de todos, convidando-os a ficarem de pé para cantar o Hino Nacional.

Fonte: Ascom – Câmara Municipal de Alagoinhas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *