terça-feira, maio 26
Shadow

Entre amores e ilusões


E a brisa levou para bem distante as nuvens e o sol voltou a fulgurar sob um céu agora cintilante. Assim me sinto ao findar a leitura do “Entre Amores e Ilusões”, do celebrado Abimael Borges, que me deixou imensamente impactado. Sua poesia é muito forte e densa e o livro está pronto para vencer qualquer concurso e figurar no top 10 da poesia brasileira.
De verdade, é poesia como se deve fazer poesia. Sem regras sequenciais, palavras soltas que se encontram e formam uma linda canção – de amor, de resgate, de ninar… ao gosto do freguês.
“Peguem uma caixa de palavras e a despeje sobre a mesa…” Isso é genial! Muito ao modo da simplicidade de Mário Quintana, o nosso autor consegue percorrer caminhos variáveis e com maestria.
Bem diz ele que “de oração em oração fazei a prosa, em cada letra de canção burlai a norma”. E assim tem sido e sempre será. Os escritos de Abimael Borges são gostosos de ler. Muito bons, deixa a emoção seguir aqui, nas palavras que vão sendo saboreadas uma a uma. É uma leitura sadia, descontraída e bem construída.
Seus poemas são lidos na cadência bonita da música. Ao caminhar da leitura vem a gratidão pela oportunidade de ter em mãos a certeza do amadurecimento do autor.
Palavras incrivelmente bem postas, lado a lado, se encontrando. Fantasticamente belas e carregadas de um encantamento ímpar.
Sigo a leitura buscando associar (o que não é correto) a outro poeta e encontro similaridades com Drummond, Cora, Cazuza… São frases muito fortes, a poética é cadenciada. Citando o Mano Caetano “Tudo métrica e rima e nunca dor”. E é profunda a sua arte, a ponto de assemelhar ao vate Castro Alves. Seu palavreado possui requinte permanecendo acessível, como só os poetas sabem ser.
“Como agudas farpas tuas vans palavras” Como fugir do pensar em Augusto dos Anjos, o poeta da morte? “As linhas doloridas do silêncio fácil”.
O nosso trovador não sabe o tamanho do alcance que a sua escrita possui. E isso, acredite, é incrível. É muito bom.
Em suas mãos, leitor, há uma obra de enorme valor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *