Além da dengue, casos de zika e chikungunya preocupam autoridades de saúde baianas

A população baiana precisa redobrar os cuidados de prevenção ao Aedes aegypti. Isso porque os vírus da dengue, zika e chikungunya circulam no estado. A informação foi confirmada pelo coordenador de Doenças de Transmissão Vetorial da Diretoria e Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde do estado, Gabriel Muricy.

A recomendação é importante para evitar a repetição do cenário de 2019, quando houve um aumento de quase 139% nas notificações de chikungunya, em comparação com o ano anterior, com mais de 10,4 mil casos prováveis. Em relação à zika, constatou-se um crescimento de 133%, com mais de três mil casos prováveis. Neste ano, o estado já notificou 139 casos prováveis de chikungunya e três suspeitas de zika.

Créditos: Sabrine Cruz

“Esse ano, além do vírus dengue, os dados laboratoriais já comprovam a co-circulação dos três arbovírus urbano. Então, está comprovado a circulação do vírus da zika e chikungunya, este ano, no estado.” 

No ano passado, 213 municípios emitiram notificações para a chikungunya e 190 para os casos de zika. Mas a maior concentração de casos dessas doenças foi registrada na região metropolitana de Salvador.

Muricy revela que questões climáticas, como chuvas e logo depois altas temperaturas, e falta de saneamento básico tem contribuído para a proliferação do mosquito. Por isso, o alerta que fica para a população é de redobrar os cuidados contra a proliferação do mosquito aedes em quintais e arredores.

“Mais de 270 municípios da Bahia, no último levantamento feito no ano passado, mostraram a presença do Aedes aegypti em uma densidade que coloca o território em situação de alerta”.

Créditos: Sabrine Cruz

Até o momento, já foram confirmados oito mortes por chikungunya e mais quatro estão sob investigação. Em relação à zika, há um óbito em investigação, no município de Terra Nova. 

E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *